dom, 21 abril 2024
InícioDestaquesRaquel Lyra vai ao STF contra governo Lula

Raquel Lyra vai ao STF contra governo Lula

A governadora Raquel Lyra (PSDB) mais uma vez foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) para destravar uma importante pauta da gestão tucana. A primeira vez, em embate com a Assembleia Legislativa, Raquel conseguiu no STF uma medida liminar para não ter que repassar aos demais poderes R$ 384 milhões de excesso de arrecadação, contrariando o deputado Álvaro Porto (PSDB), que articulou a emenda na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Novamente, Raquel foi ao STF pedir uma medida liminar de urgência, desta vez, contra o Ministério da Fazenda e a Secretaria do Tesouro Nacional. O blog teve acesso exclusivo ao novo processo, com fonte no Governo do Estado.

A questão gira em torno da atual proibição de Pernambuco tomar novos empréstimos.

“O Estado de Pernambuco ultrapassará o limite de 60% com gastos de pessoal, no exercício de 2023 e seguintes, e, por conseguinte, não só ficará inadimplente em relação ao PATF, como incorrerá em descumprimento da própria LRF, art. 19, II; ficando impedido de receber recursos de transferências voluntárias e operações de crédito”, revela o Governo do Estado, em documento oficial.

O que alega Raquel Lyra

O blog já tinha registrado falas de vários secretários estaduais, sob reserva, de que a gestão Raquel Lyra desconfiava que o PSB, em 2022, inflou os gastos com pessoal do Governo do Estado, com vários aumentos de servidores, com a suposta intenção de “inviabilizar” a gestão de Raquel.

Agora, com elegância e usando de polida linguagem jurídica, a gestão Raquel Lyra formaliza esse entendimento sobre medidas do ex-governador Paulo Câmara (sem partido) em 2022, através de uma ação no STF.

Segundo essas fontes governamentais, a controvérsia gira em torno de uma despesa de R$ 442 milhões feita pela gestão de Paulo Câmara em 2022, com as organizações sociais de saúde.

Na afirmação da petição apresentada por Raquel ao STF, apesar do Tribunal de Contas do Estado (TCE) de Pernambuco ter definido que esta despesa não deve ser computada como despesa de pessoal, estes valores foram considerados na análise da Secretaria do Tesouro Nacional em Brasília, levando Pernambuco a descumprir a meta 3 do Cepag.

“Em que pese o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco tenha pronunciado pela legalidade das contas públicas decorrente da não inclusão dos gastos dos Contratos de Gestão com Organizações Sociais no limite de despesa de pessoal (v. acórdão anexo), considerando-as como despesa de custeio, é certo que a Secretaria do Tesouro Estadual desprezou dita aprovação das contas públicas do Estado de Pernambuco, naquele exercício financeiro de 2022”, afirma o Estado, na petição judicial.

Conforme técnicos, a meta 3 é que analisa as despesas de pessoal totais do Estado. O Cepag é o cadastro do Ministério da Fazenda que permite, ou não, os estados e municípios pegarem novos empréstimos.

Como o blog vem mostrando a estratégia de Raquel é pegar novos empréstimos (chamados nos documentos de “operações de crédito) com o Governo Lula, para tocar os grandes projetos de sua gestão.

A Secretaria do Tesouro Nacional, ao analisar as contas de Paulo Câmara em 2022, disse que Paulo descumpriu a meta 3 de despesas de pessoal. A avaliação do Tesouro Nacional barrou novos empréstimos de Raquel a partir do final de 2023.

“A Meta 3, relativa a Despesa com Pessoal, passou a ser causa de imputação de inadimplência para com o PATF com severas consequências para o Estado de Pernambuco, dentre elas, o não recebimento de transferências voluntárias, ausência de obtenção de garantia direta ou indireta da União, e a não contratação de operações de crédito”, informa a petição judicial pernambucana.

Agora, em petição ao STF, a gestão de Raquel culpa exatamente essa despesa de R$ 442 milhões feita pela gestão Paulo Câmara. Para a gestão de Raquel, a despesa foi classificada indevidamente.

A gestão tucana não aceita classificar estes R$ 442 milhões como despesas de pessoal. Raquel quer que prevaleça o entendimento do TCE de Pernambuco e que a despesa não entre nos limites previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal para despesas de pessoal.

Raquel já constatou que travamento permanecerá em 2024

Após perder o Cepag no final de 2023, por despesas feitas por Paulo Câmara em 2022, a gestão de Raquel deu declarações públicas de que iria trabalhar, em 2023, para recuperar o Cepag a partir de 2025.

No entanto, o blog recebeu com exclusividade informações, sob reserva, dando conta que o Estado não vai conseguir recuperar o Cepag, mesmo com toda a economia feita por Raquel em seu primeiro ano, caso o STF não conceda uma liminar neste novo processo.

Para o governo Raquel Lyra, é fundamental alterar o entendimento que as despesas com organizações sociais de saúde são despesas com pessoal.

“No caso do Estado de Pernambuco, para o exercício de 2023, o indicador de pessoal, computando-se os gastos com pessoal das OSS, ultrapassará o limite máximo, como evidencia a análise preliminar realizada pela Contadoria Geral do Estado”, informa estudos preliminares feitos pelo Poder Executivo para subsidiar o processo no STF.

Caso o entendimento em Brasília não mude, a gestão de Raquel já constatou que o Governo terá que fazer cortes ainda mais pesados para se enquadrar novamente no limite máximo da Lei de Responsabilidade Fiscal.

A real origem da briga entre os poderes

Em reserva, técnicos do Estado revelaram ao blog que esta preocupação foi um dos fatores que levou ao embate com a Assembleia para não repassar mais R$ 384 milhões.

Raquel queria evitar o aumento de despesas com pessoal no exercício de 2023 retroativamente.

A preocupação é que os demais poderes gastam cerca de 90% (noventa por cento) dos seus orçamentos com pessoal. E impactariam os índices do Estado.

Caso os R$ 384 milhões fossem repassados, mesmo que o STF autorize retirar as despesas de 2023 com organizações sociais de saúde, o Estado continuaria foram do limite máximo e proibido de tomar empréstimos a partir do final de 2024, informam fontes do blog, sob reserva.

Para observadores, está explicada a origem do embate de Raquel com a Assembleia para não repassar mais recursos nesse momento.

A preocupação com despesas de pessoal foi também uma motivação para escalonar nos próximos anos as despesas com pessoal da PM e bombeiros. Em ano de eleição, só aparece gente interessada em sair bem na foto com a tropa.

Caso implantasse tudo de uma vez em 2024, Raquel estouraria o limite máximo de despesas com pessoal e ficaria proibida de tomar novos empréstimos até o final do seu mandato.

Outra categoria que está no “olho do furacão” são os professores, maior categoria do funcionalismo estadual. Como o sindicato reclama dia sim, dia não, a gestão Raquel não deu o mesmo percentual do piso para repercutir em toda a carreira do magistério estadual.

A cautela, informam estas fontes, também foi pelas despesas com pessoal. Paulo Câmara deu um aumento de 35% aos professores, no último ano da gestão, acima até do percentual do piso. Novamente, existem fontes que acham que o objetivo foi inviabilizar a nova gestão estadual.

Pedido urgente de Liminar

A gestão Raquel Lyra fez um forte pedido urgente de liminar ao STF. Raquel precisa que a liminar saia antes do final de março, informam fontes.

“O mesmo se verificará agora, na apresentação do Relatório Fiscal em março vindouro, em relação ao exercício de 2023, onde a análise preliminar da Contadoria Geral do Estado já apresenta um índice de gastos com pessoal da ordem de 61,37%”, aponta o Governo do Estado ao STF.

Caso a liminar não saia, pela primeira vez em muitos anos, o Estado vai “estourar” o limite de despesas com a Lei de Responsabilidade Fiscal no final deste mês de março, informam fontes. O limite é 60%.

O processo já foi distribuído para a ministra Carmen Lúcia, que será a relatora.

O Estado tem pressa que saia a liminar ainda em março, pois quer retomar os empréstimos federais nos próximos meses. “O periculum in mora no presente caso é evidente e manifesto”, informa o Estado ao STF.

Caso não saia a liminar, o Estado teria que fazer novos “cortes drásticos” de despesas com pessoal, só podendo retomar os empréstimos a partir de 2025. A ação foi protocolada, muito discretamente, em 4 de março. O texto foi preparado pela Procuradoria Geral do Estado (PGE). A liminar ainda não foi apreciada pela relatora, mas o processo já está no gabinete da ministra.

Procuradores do Estado já foram orientados a visitar o gabinete e falar com os assessores mais próximos de Cármen Lúcia, informam fontes no Governo. A ação é crucial para a gestão Raquel, sendo até mais importante, informam estas fontes, que a ação proposta contra a Assembleia.

Via PE Notícias

Relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Tempo Hoje

Petrolândia
nuvens quebradas
21.6 ° C
21.6 °
21.6 °
95 %
2.6kmh
52 %
dom
31 °
seg
30 °
ter
30 °
qua
33 °
qui
28 °

Mais Lidas