ter, 16 abril 2024
InícioDestaquesPutin vence eleições russas com 87,3% dos votos e estende poder até...

Putin vence eleições russas com 87,3% dos votos e estende poder até 2030

Com 99,8% dos votos contados, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, obteve 87,3% dos votos, de acordo com resultados preliminares divulgados nesta segunda-feira (18) pela Comissão Eleitoral Central da Rússia (CEC).

O resultado significa que Putin governará pelo menos até 2030, quando terá 77 anos. Sendo o líder mais antigo da Rússia desde o ditador soviético Joseph Stalin, ele garantirá uma terceira década completa de governo.

O chefe da comissão eleitoral da Rússia disse que a participação nas eleições presidenciais do país, concluídas no domingo (17), atingiu 77,44%, um recorde pós-soviético.

Putin reforçou o seu controle sobre o país que governa desde a viragem do século, com os resultados quase completos das eleições organizadas na Rússia indicando uma vitória previsivelmente grande para o líder do Kremlin, num resultado que era uma conclusão precipitada.

Com a maioria dos candidatos da oposição mortos, presos, exilados ou impedidos de concorrer – e com a dissidência efetivamente proibida na Rússia desde que esta lançou a sua invasão em grande escala da Ucrânia em fevereiro de 2022 – Putin não enfrentou nenhum desafio credível ao seu governo.

O resultado foi inevitável – o porta-voz de Putin disse no ano passado que a votação “não foi realmente democracia”, mas sim “burocracia dispendiosa” – mas o ritual das eleições é, no entanto, de importância crucial para o Kremlin como meio de confirmar a autoridade de Putin.

O ritual costumava ser realizado a cada quatro anos, antes de a lei ser alterada em 2008 para estender os mandatos presidenciais para seis anos. Mudanças constitucionais posteriores removeram os limites do mandato presidencial, permitindo potencialmente que Putin permanecesse no poder até 2036.

Numa volta de vitória na sua sede eleitoral no domingo, Putin disse que a eleição tinha “consolidado” a unidade nacional e que havia “muitas tarefas pela frente” para a Rússia, à medida que continua o seu curso de confronto com o Ocidente.

“Não importa o quanto alguém tente nos assustar, quem tente nos suprimir, nossa vontade, nossa consciência, ninguém jamais conseguiu ter feito tal coisa na história, e isso não vai acontecer agora e não vai acontecer no futuro. Nunca”, disse ele.

Putin sobre a morte de Navalny
Os mais ferozes opositores de Putin morreram nos últimos meses.

Depois de liderar uma revolta fracassada em junho, o chefe mercenário de Wagner, Yevgeny Prigozhin, foi morto dois meses depois, depois que seu avião caiu durante uma viagem de Moscou a São Petersburgo. O Kremlin negou qualquer envolvimento na morte de Prigozhin.

As eleições foram realizadas um mês depois de Alexey Navalny, o mais formidável adversário de Putin, ter morrido numa colônia penal no Árctico. A família e os apoiadores de Navalny acusaram Putin de ser responsável pela sua morte, uma alegação rejeitada pelo Kremlin.

No seu discurso de domingo à noite, Putin rompeu sem precedentes com a sua tradição de não pronunciar o nome de Navalny, discutindo a sua morte e confirmando as discussões sobre uma potencial troca de prisioneiros envolvendo a figura da oposição.

Os aliados de Navalny já haviam alegado que ele estava “a dias” de ser trocado antes de sua morte.

“Quanto ao Sr. Navalny – sim, ele faleceu. É sempre um acontecimento triste. E houve outros casos em que pessoas nas prisões faleceram. Isso não aconteceu nos Estados Unidos? Aconteceu, e nem uma vez”, disse ele.

Homenagem a Alexei Navalny em Kappara, Malta / 19/2/2024 REUTERS/Darrin Zammit Lupi

Putin disse que, poucos dias antes da morte de Navalny, foi informado de uma proposta para trocá-lo por prisioneiros detidos em países ocidentais.

“A pessoa que falou comigo ainda não havia terminado a frase quando eu disse que concordo”, disse Putin.

“Mas, infelizmente, o que aconteceu [a morte de Navalny] aconteceu. Só havia uma condição de trocá-lo para ele não voltar. Deixe-o sentar aí. Bem, essas coisas acontecem. Não há nada que você possa fazer sobre isso, isso é a vida.”

Desafios
A viúva de Navalny, Yulia Navalnaya, pediu aos russos que se manifestassem coletivamente como uma demonstração de oposição no domingo, o último dia de votação nos 11 fusos horários e 88 assuntos federais da Rússia. Na preparação, o Kremlin alertou contra reuniões não autorizadas.

Uma equipe da CNN em Moscou viu a fila do lado de fora de uma seção eleitoral crescer rapidamente ao meio-dia, como parte das chamadas manifestações “Meio-dia contra Putin” inspiradas em Navalny.

Uma mulher que esperava na fila disse à CNN: “Esta é a primeira vez na minha vida que vejo uma fila para eleições”. Questionada sobre por que veio àquela hora, ela respondeu: “Você sabe por quê. Acho que todos nesta fila sabem por quê.”

Yulia Navalnaya, esposa de Alexei Navalny, em Munique / Kai Pfaffenbach/Reuters (16.fev.24)

Protestos semelhantes foram realizados nas embaixadas russas em toda a Europa, com grandes multidões a reunirem-se ao meio-dia em Londres, Paris e noutros locais. Navalnaya participou numa manifestação em Berlim, esperando na fila com outros eleitores numa demonstração de oposição.

A eleição também foi marcada por atos de desafio mais explícitos. Até sábado, a Rússia havia aberto pelo menos 15 processos criminais depois que pessoas derramaram tinta em urnas, iniciaram incêndios ou lançaram coquetéis molotov em locais de votação.

Ella Pamfilova, chefe da CEC da Rússia, disse que 29 assembleias de voto em 20 regiões da Rússia foram alvo de ataques, incluindo oito tentativas de incêndio criminoso.

Mais de 60 russos foram detidos em pelo menos 16 cidades no último dia de votação, segundo o grupo independente de direitos humanos OVD-Info.

Eleição em tempo de guerra
A Rússia também realizou eleições presidenciais em quatro regiões ucranianas que anexou durante a sua invasão em grande escala. A Ucrânia disse que as eleições violaram o direito internacional e seriam consideradas “nulas e sem efeito”.

As autoridades instaladas pela Rússia na Ucrânia ocupada relataram uma elevada participação de mais de 80%. Mas surgiram evidências de coerção eleitoral. Os canais russos do Telegram mostraram soldados russos acompanhando os funcionários eleitorais enquanto eles vão de casa em casa para coletar votos.

Um vídeo de Luhansk mostrou uma mulher idosa dentro de seu apartamento preenchendo um boletim eleitoral e colocando-o na urna, enquanto um homem em uniforme militar fica ao lado dela com um rifle pendurado no peito.

Pessoas votam em seção eleitoral móvel durante as eleições presidenciais da Rússia, em Donetsk, região da Ucrânia anexada pela Rússia na guerra / Stringer/Anadolu via Getty Images

Após a divulgação dos resultados preliminares no domingo, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, chamou Putin de “ditador” e a eleição da Rússia de “farsa”.

“É claro para todos no mundo que este indivíduo, como tantas vezes aconteceu na história, está simplesmente doente de poder e está a fazer tudo o que pode para governar para o resto da vida. Não há mal que ele não cometerá para prolongar seu poder pessoal. E não há ninguém no mundo que esteja imune a isso”, disse Zelensky.

As eleições ocorrem depois de mais de dois anos de guerra que impuseram enormes custos à população russa. O Kremlin mantém o número de vítimas em segredo, mas as autoridades ocidentais acreditam que mais de 300 mil soldados russos foram mortos ou feridos nos campos de batalha da Ucrânia.

Respondendo no domingo à pergunta de um jornalista sobre os comentários do presidente francês Emmanuel Macron no mês passado de que não descartaria o envio de forças europeias para a Ucrânia, Putin disse que tal medida estaria “a um passo da Terceira Guerra Mundial”.

Novos caminhos
A invasão de Putin remodelou os eixos geopolíticos mundiais pós-Guerra Fria, levando o ocidente a tratar a Rússia como um Estado pária, após décadas de relações mais amigáveis.

A guerra também encolheu o mundo de Putin, depois de o Tribunal Penal Internacional ter emitido no ano passado um mandado de detenção por alegados crimes de guerra cometidos na Ucrânia, obrigando mais de 100 países a prender o líder russo se ele pisasse no seu território.

Mas a guerra também abriu novos caminhos para a Rússia, que tem procurado forjar novas parcerias e reforçar as já existentes.

As relações da Rússia com a China, a Coreia do Norte e o Irã – que não condenaram a invasão – aprofundaram-se, e Putin tentou cortejar países do Sul Global ao apresentar uma visão de um mundo não liderado pelo ocidente.

Os críticos de Putin acusam-no de inventar problemas de política externa para desviar a atenção da incapacidade do seu governo para resolver os inúmeros problemas internos da Rússia, desde a baixa esperança de vida até à pobreza generalizada.

Embora a Rússia tenha resistido às sanções impostas pelos países ocidentais melhor do que o esperado, o conflito distorceu a sua economia ao sugar recursos para a produção militar. A inflação disparou, bens básicos como ovos tornaram-se inacessíveis e dezenas de milhares de jovens profissionais deixaram o país.

Avaliar a opinião popular é difícil em países autoritários como a Rússia, onde as organizações de monitorização operam sob estrita vigilância e muitos temem criticar o Kremlin.

Mas o Levada Center, uma organização não governamental de sondagens, informa que quase metade dos russos apoia fortemente a guerra na Ucrânia e mais de três quartos dão algum apoio.

Levada também relata que o índice de aprovação de Putin é superior a 80% – um número praticamente desconhecido entre os políticos ocidentais e um aumento substancial em comparação com os três anos anteriores à invasão em grande escala da Ucrânia.

Por CNN

Relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Tempo Hoje

Petrolândia
nublado
33.6 ° C
33.6 °
33.6 °
44 %
6.5kmh
95 %
ter
34 °
qua
33 °
qui
32 °
sex
32 °
sáb
31 °

Mais Lidas